Carros viram telas para hobby de pintor

Funcionário da fábrica da Volkswagen de São José dos Pinhais usa os seus desenhos para transformar veículos

Paisagem no capô do Gol foi inspirada nos filmes de Harry Potter

Joelson Alves tem 31 anos e sempre gostou de desenhar, além de alimentar o sonho de ser pintor na indústria automotiva. Há cinco anos, quando começou a trabalhar na fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, foi logo se instalar na área de pintura, embora no começo tenha ficado no lixamento. Dois anos depois, entrou para o grupo de pintores.

Presépio desenhado em um Fox para concurso interno da Volkswagen

Alves é ho­­je pintor de esmalte, verniz e spot-repair da fábrica. Nas horas va­­gas, na oficina do pai, continua envolvido com as tintas automotivas, mas aí ele faz da superfície dos veículos telas para desenvolver sua arte. Ele lembra que tudo começou há dez anos, com a restauração da pintura do Fusca de um amigo. “Apliquei vários detalhes em aerografia. Com o passar do tempo, fui aperfeiçoando a técnica”, afirma.

Na Volkswagen, o seu trabalho ficou conhecido quando ele pintou um Fox para participar de um concurso interno que a montadora realiza todos os anos, de presépios de Natal. Logo a habilidade de Alves passou a ser conhecida por familiares e amigos e as encomendas começaram a surgir.

O último trabalho foi a customização do capô do carro do seu cunhado. Alves buscou inspiração nos filmes de Harry Potter para elaborar a paisagem. O pintor diz que não cobrou nada pelo serviço, mas avalia que as cerca de três semanas de trabalho valeriam R$ 900, se fosse estipular preço.

Alves explica que é o tempo de trabalho que determina o custo. O material utilizado não é caro e pode ser encontrado facilmente: aerógrafo e tintas automotivas. E ele costuma usar uma grande quantidade de cores. Num desenho em preto e branco, por exemplo, Alves pode aplicar até 11 tons de cinza para conseguir o efeito desejado.

Tintas automotivas de diversas cores são usadas pelo artista

Segundo ele, o mais comum é o dono do carro escolher uma pequena área para customizar. Até porque é necessário manter 50% da pintura original para que não seja necessário registrar a alteração de característica nos órgãos de trânsito. A mudança da cor predominante exige autorização prévia do Departamento de Trânsito (Detran), que custa R$ 15,69. Depois de concluída a modificação, o motorista deve voltar para a emissão de novo documento (R$ 86,91), além de pagar a taxa de R$ 86,66 referente à mudança de cor.

Aerografia

Aerografia é uma técnica de pintura onde se utiliza uma pequena pistola ligada a um compressor de ar para produzir jatos de tinta. Estudiosos da arte dizem que ela surgiu ainda na pré-história, quando homens da caverna assopravam pigmentos através de tubos derivados de ossos de animais e bambus.

O telefone para contato com Joelson Alves é (41) 3372-6979.

*fonte: Gazeta do Povo 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s